Página principal Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Módulo 4

TEXTOS DE CARÁCTER AUTOBIOGRÁFICO

Módulo 1

Eu cantarei de amor...

Conteúdos

Sophia de Mello Breyner Andresen

Autobiografias

Romance com  características autobiográficas

Memórias

Cartas

Diários

Retrato e auto-retrato

Declaração

Requerimento

Relatório

Nasci no Porto mas vivo há muito em Lisboa.

Durante a minha infância e juventude passava os verões na praia da Granja, de que falo em tantos dos meus poemas e contos.

Estudei no Colégio Sagrado Coração de Maria, no Porto, e quando tinha 17 anos inscrevi-me na Faculdade de Letras de Lisboa, em Filologia Clássica, curso que, aliás, não terminei. Antes de 25 de Abril de 1974 fiz parte de diversas organizações de resistência, tendo sido um dos fundadores da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos.

Depois de 25 de Abril de 1974 fui deputada à Assembleia Constituinte (1975-1976) e detesto escrever currículos...

[...]

Comecei a inventar histórias para crianças quando os meus filhos tiveram sarampo. Era no inverno e o médico tinha dito que eles deviam ficar na cama, bem cobertos, bem agasalhados. Para isso era preciso entretê-los o dia inteiro. Primeiro, contei todas as histórias que sabia. Depois, mandei comprar alguns livros que tentei ler em voz alta. Mas não suportei a pieguice da linguagem nem a sentimentalidade da "mensagem"; uma criança é uma criança, não é um pateta. Atirei os livros fora e resolvi inventar. Procurei a memória daquilo que tinha fascinado a minha própria infância. Lembrei-me de que quando eu tinha 5 ou 6 anos e vivia numa casa branca na duna - a minha mãe me tinha contado que nos rochedos daquela praia morava uma menina muito pequenina. Como nesse tempo, para mim, a felicidade máxima era tomar banho entre os rochedos, essa menina marinha tornou-se o centro das minhas imaginações. E a partir desse antigo mundo real e imaginário, comecei a contar a história a que mais tarde chamei Menina do Mar.

Os meus filhos ajudavam. Perguntavam:

- De que cor era o vestido da menina?

O que é que fazia o peixe?

Aliás, nas minhas histórias para crianças quase tudo é escrito a partir dos lugares da minha infância

in De que são feitos os sonhos

 Ler por dentro

 Mesmo antes de ler este texto já deves saber que um texto autobiográfico tem características próprias.

a) Em que pessoa se vai expressar a voz narrativa?

b) Que parte do texto mais se assemelha a um curriculum vitae? E a um excerto autobiográfico?

 

Biografia
 vem de BIO, que significa
VIDA e GRAFIA, que significa ESCRITA.
Uma Biografia é a história de vida de uma pessoa.
Mas quando nós mesmos vamos escrever a nossa história, então temos uma
AUTOBIOGRAFIA.

Autobiografia

 A autobiografia é a vida de uma pessoa escrita por ela mesma, pode ser uma das provas a passar nos processos de selecção, convém que estejas preparado para ela.

Alguns pontos a abordar ao preparar uma entrevista

1. Escreve os nomes e apelidos
2. Antecedentes do nascimento: pais, cidade, contexto em  que nasceu, lugar, etc.
3. Por que acha que os seus pais o chamaram assim ?
4. Que recorda, com agrado e com desagrado da sua vida escolar na primária?
5. Que recorda, com agrado e com desagrado da sua vida escolar no ensino secundário?
6. Acha que conseguiu alcançar os sonhos e esperanças que se propôs quando era adolescente?. Por quê?
7. Que recorda, com agrado e com desagrado, da sua vida universitária?

 8. Recorda algum professor em especial que o marcou de forma positiva ou negativa? Quem foi esse professor? Por que o marcou?

9. Descreva de forma breve o seu curriculum vitae tendo em conta a sua preparação profissional.

10. Fala da sua relação com os seus familiares: pais, irmãos, sobrinhos, etc.

11. Breve resumo da sua vida actual.

 Não esqueças de agradecer.

 

 

Eu trabalho...

 Actividade 1 : Agora que já sabes o que é um texto autobiográfico, pesquisa na net a biografia de alguém que admires.

 Actividade 2 : Entrevista uma pessoa que tu aches interessante e organiza num texto a sua Biografia. Não te esqueças de preparar antecipadamente as perguntas, de cariz autobiográfico, que lhe vais fazer.

 Actividade 3 : Podes inventar um personagem... que pode ser uma pessoa, um animal e até mesmo um objecto. Então, escreve a biografia dele.

Já imaginaste um cachorro a contar a sua própria história? Ou então uma panela? Quem sabe uma flor ou uma porta? Imagina...

Para te inspirar lê a poesia de:

 Vinícius de Moraes -  A PORTA

Sou feita de madeira
Madeira, matéria morta
Não há nada no mundo
Mais viva que uma porta
Eu abro devagarinho
Pra passar o meninho
Eu abro bem com cuidado
Pra passar o namorado
Eu abro de sopetão
Pra passar o capitão
Eu fecho a frente da casa
Fecho a frente do quartel
Fecho tudo no mundo
Só vivo aberta no céu.

Atenção: não confundas autobiografia com curriculum vitae. Visita esta página e aprende como se faz um curriculum vitae.

 Actividade 4

Elabora o teu Curriculum Vitae

 

 Actividade 5

 Procura no dicionário a definição da palavra curriculum e regista-a no teu caderno.


Retrato/Auto-retrato

Magro, de olhos azuis, carão moreno,

bem servido de pés, meão na altura,

triste de facha, o mesmo de figura,

nariz alto no meio e não pequeno.

 

Incapaz de assistir num só terreno,

mais propenso ao furor do que à ternura,

bebendo em níveas mãos por taça escura

de zelos infernais letal veneno.

 

Devoto incensador de mil deidades

(digo, de moças mil) num só momento

e somente no altar amando os frades,

 

eis Bocage, em quem luz algum talento.

Saíram dele mesmo estas verdades

num dia em que se achou mais pachorrento.

Bocage

 Actividade 6

 

Retrato próprio

1. Delimita, no soneto de Bocage, a apresentação das suas características:

-físicas

-psicológicas

-ideológico-afectivas

2. Demonstra que o auto-retrato físico do sujeito poético se aproxima da caricatura.

3. Relê a segunda e a terceira estrofes do poema.

3.1 Transcreve do poema o(s) verso(s) que exprimem, em relação ao eu poético:

-a incapacidade de se fixar;

-o temperamento arrebatado

-a inconstância no amor

-o seu suposto anticlericalismo.

3.2 Relaciona o sentido dos dois primeiros versos do primeiro terceto com o do primeiro verso da segunda quadra.

4. de que forma o último terceto atesta a autenticidade do auto-retrato apresentado?

5. Indica as principais características formais do poema.

Auto-retrato Retrato de Alexandre O'Neill

O'Neill (Alexandre), moreno português,
cabelo asa de corvo; da angústia da cara,
nariguete que sobrepuja de través
a ferida desdenhosa e não cicatrizada.
Se a visagem de tal sujeito é o que vês
(omita-se o olho triste e a testa iluminada)
o retrato moral também tem os seus quês
(aqui, uma pequena frase censurada...)
No amor? No amor crê (ou não fosse ele O'Neill!)
e tem a veleidade de o saber fazer
(pois amor não há feito) das maneiras mil
que são a semovente estátua do prazer.
 Mas sobre a ternura, bebe de mais e ri-se
 do que neste soneto sobre si mesmo disse...

 Poemas com endereço  (1962)
 

 

 Actividade 7

 

Auto-retrato

1. Delimita, no poema de O'Neill, a apresentação dos seus traços:

- físicos

- morais

- afectivos

2. Regista as analogias, no plano do vocabulário, com o auto-retrato de Bocage.

3. Dá a tua opinião sobre a forma como o sujeito poético se refere:

-ao seu retrato moral

-ao amor

4. Não se pode, ao contrário do que se passa no soneto de Bocage, falar em sinceridade.

4.1 Que versos nos dão essa certeza?

4.2 De que forma o eu poético se desdiz?

5. Indica as principais características formais do poema.

6. Refira em que medida o "Auto-retrato" é um pastiche do " Retrato próprio" de Bocage.

 Actividade 8

DOSSIER

Investiga a vida e obra destes dois poetas e prepara os textos para o teu dossier.


Eu investigo...

Texto memorialístico

As memórias estão no meio-termo entre a autobiografia e a crónica, variando, de caso para caso, o peso relativo do eu no conjunto do narrado. São sem dúvida, uma forma de escrita sobre si mesmo (Marguerite Yourcenar chama-lhe "O retrato de uma voz"), mas dão-nos também, e sobretudo, o testemunho dum tempo e dum meio, somando ao relato de casos pessoais e familiares o de conhecimentos históricos e políticos. A narrativa memorialística tem um fundo histórico-cultural, sujeito embora à filtragem subjectiva de quem a produz.

Algumas obras deste género:

Memórias do Cárcere, de Camilo Castelo Branco

Páginas de Memórias, de Júlio Dantas

Procura ler uma destas obras. Na Oficina de Leitura escolhe um título para leres este mês.

Para saberes mais sobre textos autobiográficos consulta esta página.


O Diário é um dos géneros da literatura autobiográfica. O estatuto do diário é a confidência, assim o gesto diarístico decorre da necessidade de comunicação do eu consigo mesmo ou com os outros.


O diário de Adrian Mole

 

 

Sexta-feira, 13 de Fevereiro

Foi mesmo um dia de azar para mim!

A Pandora já não se senta ao meu lado na aula de Geografia. Agora é o Barry Kent. Não parou de copiar o meu ponto e de fazer balões de pastilha elástica para as minhas orelhas. Fiz queixa à Srª Elf, mas ela também tem medo do Barry Kent, portanto também não lhe disse nada.

A Pandora hoje estava apetitosa, levava uma saia aberta que lhe deixava as pernas à mostra. Tem um arranhão num dos joelhos. Levava o lenço da equipa de futebol do Nigel atado à volta da pulso, mas a Srª Elf viu e mandou-a tirá-la. A Srª Elf não tem medo da Pandora. Mandei-lhe um cartão de S. Valentim ( à Pandora, não à Srª Elf).

  Actividade 9

 Ler por dentro

1. Este é um exemplo do diário de Adrian Mole, pode-se dizer que o diálogo de Mole é um caderno de confidências. Porquê?

2. Identifica o narrador e o narratário deste excerto.

3. Imagina a página do diário do Adrian do dia 14 de Fevereiro.

4. Que conselho darias ao apaixonado Adrian Mole para conquistar Pandora?

5. Já deves ter ouvido falar no mito da Caixa de Pandora. Investiga sobre o mito de Pandora e regista-o no dossier.


Clica nestas hiperligações para aprenderes a escrever cartas, fazer requerimentos, e relatórios.


Declaração

Texto em que publicamente se apresentam determinadas informações: comunicações ou denúncia pública; exposição oficial de uma situação, de um facto, apresentada (por escrito) a um órgão próprio e que constitui prova de compromisso. A palavra significa, na sua origem, esclarecer sobre determinado assunto. Pode ser um manifesto pessoal ou um acto social que fixa por escrito uma consciência colectiva de direitos. Ex: Declaração Universal dos Direitos do Homem, Declaração dos Direitos dos Animais, Declaração dos Direitos das Crianças, etc.

No âmbito do direito internacional público a declaração é o "acto pelo qual dois ou mais Estados proclamam, individualmente, o seu acordo acerca de certas questões interessando simultaneamente às respectivas políticas externas e definem a seu respeito uma linha de conduta comum".(Silva Cunha, Direito Internacional Público)

aqui a Declaração dos Direitos do Homem.

Os direitos do leitor

Quanto ao livro nada mais.

Passemos ao leitor.

Porque, mais instrutivos ainda do que os modos de tratar os livros, são os modos de os ler.

Em matéria de leitura, nós, os "leitores", temos todos os direitos, a começar pelos que recusamos aos jovens que pretendemos iniciar na leitura.

Para o escritor Daniel Pennac, os dez direitos do leitor são

1)O direito de não ler.
2)O direito de pular páginas.
3)O direito de não terminar um livro.
4)O direito de reler.
5)O direito de ler qualquer coisa.
6)O direito de amar os "heróis" dos romances..
7)O direito de ler em qualquer lugar
8)O direito de ler uma frase aqui e outra ali
9)O direito de ler em voz alta
10)O direito de não falar do que se leu.

( Daniel Pennac, 1944, Como um Romance)

Actividade 10

a) Alguns destes direitos, se não todos, são surpreendentes e até polémicos. Porquê?

b) Escolhe um dos direitos do leitor e explica por que o escolheste.

c) Constrói outras declarações com 10 direitos. Por exemplo: os direitos do pintor, do utilizador da internet, etc.


 


 Actividade 11

Dossier " Figuras que tornaram melhor o século XX"

Faz uma pesquisa sobre algumas das personalidades que se tenham evidenciado na defesa da paz, da justiça social, dos direitos humanos ou da liberdade, com os dados recolhidos elabora Biografias ilustradas.

Todo o material será reunido num dossier de turma que poderá ser enriquecido com citações das personalidades, poemas, desenhos, uma capa sugestiva.

Deixo-te alguns nomes, procura outros:

Aristides de Sousa Mendes, Mahatma Gandhi, Helen Keller, Martin Luther King, Madame Curie, ...


Eu tomo nota...

 

 

Com hífen ou sem hífen?

As palavras iniciadas por auto grafam-se com hífen apenas quando o segundo elemento tem vida própria e começa por:

- vogal (auto-estima);

-r (auto-hemoterapia);

-s (auto-sugestão)

Curriculum Vitae

Quando se fala de currículos, recorre-se com frequência às formas latinas. Assim:

- curriculum (=currículo)

-curricula (=currículos)

(Sem acentos gráficos, que em latim não os há)